Inicial | Quem somos | Fale conosco | Reclamações | Denúncias | Links | Úteis |

 




 

Valdemiro Gomes
valdemiro@interconect.com.br

 

 

Vazio ético ou Ética Universal?

segunda-feira, 16/08/10 - 14h47

O filósofo Kant ajudou a trocar o combustível da ética de Aristóteles da lenha para o petróleo. Nas críticas da razão pura e da razão prática, Kant não trata de nenhuma virtude e prefere falar na profusão do dever, na obrigação do dever, na liberdade ilimitada e compartilhada, no direito como limitador das liberdades. Kant dizia que só era moralmente legitimo (justo) o direito (a lei) que garantisse a cada cidadão uma liberdade de ação compatível com as dos outros. A ética das normas passa a ter uma nova leitura com, J. Rawls. Rawls, um dos maiores filósofos americanos, redefiniu justiça, não como uma virtude nem um direito, mas sim como um princípio fundador de uma sociedade bem ordenada. Em sua obra maior, a Teoria da Justiça, Rawls procurou uma via de como conciliar direitos iguais em uma sociedade desigual, lançando a base dos fundamentos éticos-juridicos do moderno Estado de bem-estar Social.

Floresce o principio ético do altruísmo. A palavra igualdade dá vez à equidade e o tribunal da consciência sobe um degrau. Para Rawls, não mais é suficiente as leis serem aprovadas com sólidas maiorias e atender as regras da democracia para serem justa. Rawls demonstra que nem todos os atos legítimos do governo são atos justos e diz que a partir de certo grau decisões injustas corroem a legitimidade dos atos do governo. A ciência ética ganha um novo combustível. Os menos favorecidos ganham novas esperanças.

O teólogo Leornado Boff escreve: “Não basta sermos apenas morais, apegados a valores da tradição. Cumpre também sermos éticos, quer dizer, abertos a valores que ultrapassam aqueles do sistema tradicional ou de alguma cultura determinada. Abertos a valores que concernem a todos os humanos, valores do respeito à dignidade do corpo, da defesa da vida sob todas as formas, do amor à verdade, da compaixão para com os sofredores e os indefesos. Valores do combate à corrupção, à violência e à guerra. A ética é o anjo protetor do ser humano”.

Qual a política que hoje nos governa? Política definida como a arte de conduzir o navio do Estado. Governo, do latim medieval, “gubernaculum”, significando leme. O político que hoje segura o leme é ético? O Estado é justo? Nossa sociedade é uma sociedade bem ordenada?

Será que as fotos, imagens na TV, que você certamente já acostumou a ver de crianças famintas da África, crianças com os ossos visíveis por baixo da pele e com moscas nos olhos, crianças morrendo sob o olhar dos abutres, fotos expostas em concursos e que até viraram objetos de arte, poderão ajudá-lo em sua resposta? Dói responder? Você já parou para pensar o porquê de tais imagens mesmo sendo usadas como plataformas de governos, por entidades sociais, por ONGS, não provocarem a necessária mudança na política, nos governos? Você sabia que trabalhos científicos prescrevem que com aproximadamente 50 bilhões de dólares todos os meninos que hoje choram de fome passariam a sorrir?

Vergonhoso, anti-ético, é os Governos gastarem trilhões de dólares para salvar da gula o atual sistema financeiro internacional. Qual o caminho ético para o dinheiro do povo: matar a fome dos que têm fome ou cuidar dos doentes, obesos, do “clube”?

A crise que a humanidade vive não é econômica. A crise é de vontade política, é de falta de ética na política. O verdadeiro poder, que ontem foi de imperadores e reis, hoje é de um “clube”. Vive-se uma crise na democracia, uma crise de sensibilidade. O ilustre professor Rogério Ferreira, farol das ciências do direito, da ética e da contabilidade em Portugal bem descreve este momento ao escrever: “Vive-se perante soluções desajustadas, desadequadas, insensatas, que as entidades reguladoras não controlam e em que as leis deixam de funcionar. Em nome da liberdade, entrou-se em desvarios, esquecendo-se que os valores e as virtudes estão no razoável e não fora de limites. O que é desaforo ou imoralidade não pode ter justificação. Não se pode assim falar em liberdade e menos de regras de mercado

– o que está acorrendo é de todo inadmissível e ignominioso”.

O que fazer?

Há anos li parte de um documento da CNBB, Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil, que dizia: “sem a superação da crise ética, as atuais mudanças sociais e culturais não poderão conduzir a uma sociedade justa e digna”. E recomendava para que as nossas crianças fossem educadas de forma diferente, através da valorização de uma consciência crítica, ética.

A escolha é do cidadão:

Vazio ético ou ética universal.

Voltar
 
Conheça nossa Política de Privacidade
<<< © 2002-2011 - Acorda, Pará! >>>