Inicial | Quem somos | Fale conosco | Reclamações | Denúncias | Links | Úteis |

 




 

Valdemiro Gomes
valdemiro@interconect.com.br

 

 

Empresa sem ética é corpo sem alma

terça-feira, 24/08/10 - 15h20

É possível competir nos negócios e ainda operar de forma honesta e ética?

Esta pergunta poderia estar mais presente nas entidades de classes, Universidades, MBAs e na própria mídia. A crise financeira que o mundo vive, dita controlada e cujo controle eu coloco em dúvida, é um bom testemunho da falta de ética no mundo empresarial. As manchetes relatam que grandes organizações vivem sem transparência, com falta de: ética dos auditores externos; retidão dos contadores; independência dos conselhos de administração; qualidade das informações financeiras; fiscalização dos órgãos fiscalizadores; vigilância dos acionistas minoritários; rigor e aprimoramento técnico dos analistas; transparência na divulgação de dados econômicos; impedimento da ganância desregrada e a hipocrisia dos principais executivos.

É hora de mudar a declaração. Não basta dizer que os políticos, governantes ou fiscais são os culpados, são corruptos. Isso é uma meia verdade, pois eles são partes passivas. A parte ativa é o dirigente empresarial, o “cidadão”, que dá o dinheiro, que paga o suborno. A ética empresarial só é efetiva se praticada, estimulada e se puder ser visível em todos os níveis.

Vários foram os motivos que me fizeram deixar a presidência das empresas de família. Hoje irei revelar um deles. Antes de assumir o comando das empresas conheci a história do lobo (leão para o fisco) que ataca a empresa, o rebanho, para ganhar sua ovelha. A história me marcou. Decidi que o dia que fosse o pastor iria manter o lobo longe. Decidi nunca deixar que o lobo se aproximasse da minha pessoa. Não queria cair em seu “canto”. Instrui os caçadores (contadores, auditores e advogados) para manterem o lobo longe.

Um dia, uma loba entrou na empresa e tentou chegar ao meu gabinete, inclusive cantando ser uma “amiga”. A velha história. Coloquei cera nos ouvidos para não ouvir seus encantos. Aí a empresa ganhou o maior auto de sua história, cujo valor ultrapassava o seu patrimônio liquido. Foram momentos difíceis e custosos, considerando que eu não decidia só. Na justiça, depois de muito desgaste material e emocional, comprovou-se que a loba tinha se “equivocada”.

Foi um decidir difícil, diferente. Somente escutei meu ser interior. Naquele momento lembrei-me do poema de Dale Wimbrow, O homem no espelho. “Podemos até enganar o mundo inteiro, mas sofreremos se enganarmos o homem que o fita do espelho”. Se, para vencer, temos que enganar, é hora de pensar duas vezes no que fazer.

Nenhuma empresa ou empresário pode ter sucesso no longo prazo sem integridade moral e respeito ao próximo. As pessoas respeitam a verdade, independente de ser boa ou má. Empresa que perde a confiança do empregado e dos clientes está fadada ao fracasso. Cultivar a integridade moral no trabalho requer tempo, paciência, persistência e muito comprometimento.

As transformações do mundo atual, com a globalização e as novas comunicações, evidenciam comportamentos antiéticos na área dos negócios que antes passavam despercebidos. Atualmente os desvios éticos, na forma de corrupção ou de burla ao consumidor, ao poder público, podem trazer dano à empresa e em certos casos ameaçar sua própria sobrevivência.

A igualdade entre os povos só será possível se o indivíduo, o executivo, o profissional, fizerem de seus atos, ações de ajuda, de soma, de união, de valorização do ser humano, quer na figura de consumidor, fornecedor, parceiro ou qualquer outra forma. O respeito humano tem que ser resgatado.

O momento exige que a formação profissional e universitária dê mais atenção à ética. Todas as novas mudanças nas normas contábeis, a contabilidade criativa, na qual contadores decidem por si o critério que vão utilizar, de nada vale se não houver ética nos profissionais e nos executivos. Conselhos e código de ética são ferramentas essenciais às novas empresas. A ética é o novo paradigma na área de negócios.

O Valdemiro1, meu pai, dizia: “saco vazio não fica em pé”. Hoje prefiro dizer: empresa sem ética é corpo sem alma.

Voltar
 
Conheça nossa Política de Privacidade
<<< © 2002-2011 - Acorda, Pará! >>>