Inicial | Quem somos | Fale conosco | Reclamações | Denúncias | Links | Úteis |

 



Marisa Bueloni
Pedagoga e Orientadora Educacional
marisabueloni@ig.com.br
Piracicaba - SP
 

Cesta Básica

sexta-feira, 27/08/10 - 19h14

Fé em Deus. Um cartão de Boas Festas. Três poemas de Drummond. Brincos de pingente. Água mineral sem gás. Uma noite de sono profundo. Pôr do sol. Uma praia deserta. A missa de domingo. Um buquê de flores do campo. Guarânias de Violeta Parra e Athaualpa Yupanqui. Chuva. Poesia. Blusinhas de liganete. Pão diet. A Bíblia. Frutas, todas as frutas. Desodorante sem perfume. Queijo branco. O filme “Lendas da Paixão”, com Brad Pitt. Palavras cruzadas. Serenata. Sandálias de couro marrom. Óculos de sol. Semente de abóbora torrada. Bolo de chocolate. Computador. Tarde de vento. Saber dizer sim. Legumes e verduras. Damasco. Amêndoas. Uva passa. Uma saia indiana pelos tornozelos. O tango “Por una cabeza”. Pinhão. Uma assinatura da “Veja”, uma da “Folha” e uma do “Estadão”.

Uma assinatura do “Jornal de Piracicaba”. Caetano Veloso. Chico Buarque. Um convite para uma festa. Torradas. Bota de couro de cano alto e de salto baixo. Milho verde cozido. Suco de acerola. Tocar violão. O livro “A descoberta do mundo”, de Clarice Lispector. Torpedo carinhoso no celular. Três biquínis. Duas cangas. Um edredom fofinho. Geléia de amora. Sol. A vida no campo. Os amigos. Músicas da dupla Lennon e McCartney. Os textos da Lia Luft. Ferro elétrico. Bacalhoada. Escova de dentes. Mel. Rezar. O texto “Sobre o óbvio”, de Darcy Ribeiro. O Brasil. Um filme na tevê às 2 da madrugada. Silêncio. Calça jeans. Creme hidratante para o dia e o nutritivo para a noite. Roberto Carlos. Bolsa de palha. Marieta Severo. Música clássica. Ter paciência. Blusa de mangas três quartos. Solidariedade. Sabonete de erva-doce. Vinho tinto. Rede na varanda. Saber dizer não. Peixe. Clareador para cabelos. Balanço de corda amarrado na árvore. Filmes com Al Pacino. Um par de sapatos pretos. Filosofia. As estrelas. O litoral norte de São Paulo. Gente educada. Uma carta guardada. Marco Nanini. Batom. Tesoura. Conversar. Lua cheia.

O livro “Maus”, de Artie Spiegelman (para ninguém esquecer). Arrumar a casa. Rocambole com recheio de goiabada. Carinho. Beijo de filho. Linha e agulha. Fogo na alma. Paz de espírito. Classe e simplicidade. Sorte. Uma pessoa interessante. Ovo frito. Água e luz. Lápis, borracha, régua e blocos para desenhar. Alegria de viver. A imagem de Nossa Senhora das Graças. Reich. Secador de cabelo. Roupa no varal. Bolo de fubá. Filtro solar. Um sentido para a vida. As crônicas do Rubem Alves. Um banho quente. Romantismo. Realização pessoal. Uma foto bonita no porta-retrato. Um beijo. O amor. Um relógio. Lápis para os olhos. Corpo. Alma. Autoconfiança. Saudade dos meus pais. Uma árvore frondosa. O padre Edvaldo. Um clip de Michael Jackson. O Cruzeiro do Sul. Minhas duas filhas. Minha família. O amor dos meus irmãos. Calmaria. Um galo cantando de madrugada. Bijuteria de feirinha hippie. Esponja vegetal para banho.

Um pressentimento. O rio Piracicaba. Pensar. Um pinheiro alto. Coragem. Presilhas de cabelos. Xampu sem sal. Café. Lixa de unha. Um grill. Pinça de sobrancelha. Pente e escova. Um carro. Toalhas de banho felpudas. Humildade. Um canto para morar. Rede na varanda. A orquestra de André Rieu. O mar. Céu azul. Uma estradinha florida. A Igreja do Sagrado Coração de Jesus. As músicas do Ray Conniff. Bolacha água e sal. Roupa que não precisa passar. Saber inglês. Saúde. Um sorriso. Chão de lajota. Camiseta de malha. Um abraço. Acupuntura. Água benta. Cinco óculos para perto. Fio dental. Internet. Rosas vermelhas. Penumbra. A música do filme “Em algum lugar do passado”. Um sofá aconchegante. Um par de tênis. O outono. Generosidade. Inseticida. Força de vontade. Saudade doída dentro do peito. Ordem e coisas no lugar. Uma conversa a dois. A casa dos pais. A nossa casa. Meu cardiologista, Dr. Nelson. Blusinhas do tipo segunda pele. Banheiro cheirando a pinho. Uma caixa de Advil. Os amigos da internet. Televisão. Alto astral. Colares. Primaveras roxas. Coaxar de rãs. O luar. Lexotan. Inteligência e sensibilidade.

Arte primitiva. Medalha de São Bento. Objetos de barro. Cristaleira antiga. Estudar o universo. Meu médico de coluna, dr. Luiz Fernando. Um chapéu de palha. Retratos na parede. Entender de futebol. O time do coração. Tapete rústico. Ter um sonho. Panos de prato. Chá de erva-cidreira. Móveis de vime. Detergente. Cheiro-verde. Manjericão. Anéis e pulseiras. As pessoas de boa vontade. Livros. Roupa de cama perfumada. Tesón y voluntad. Elis Regina. Remédio para pressão. Chinelo. O domingo de Páscoa. O domingo. Sal e açúcar. Um poema de amor. O dia de Natal. Um segredo. Varrer o chão. Um blazer preto. Uma bolsa de couro. Despojamento. Uma revelação inesperada. Ouvir “eu te amo”. Dizer “eu te amo”. Água potável.

Uma agenda. Arroz e feijão. Escondidinho de carne seca. Travesseiros da Nasa. Manta de lã. Não ter medo de sapo. Desenho de nuvem no céu. O doce preferido. Castanha-do-Pará. Aveia. Sorvete. Uma base clarinha para o rosto. Blush e rímel. Passarinhos. Creme dental. Uma luminária sobre o criado-mudo. Chorar. Rir. Fazer um sacrifício. As mensagens e aparições de Nossa Senhora. Meu Anjo. Pizza de marguerita. Responder os e-mails. Um cachecol de oncinha. Saber de cor a letra do Hino Nacional. Colônia de jabuticaba. Um crucifixo bonito. Papel de bombom amassado dentro do livro. Caixinha de música. Meias de lã. Bom-humor. A solidão do boi no campo. A solidão. Vida. Paz...

 
Voltar
 
<<< © 2002-2016 - Acorda, Pará! >>>